quinta-feira, 16 de maio de 2013

Psicologia e Religião



Bom dia Blogueiros...
Depois de muitas discussões na aula de psicologia, estamos chegamos ao final, e decidi partilhar com vocês o meu artigo conclusivo do curso de psicologia da religião, ou visão psicossocial da religião, espero que gostem...

A Importância da Religião.
Por: Georje Gonçalves
A Religião tem por finalidade o reencontro do homem com Deus porque acredita que este seja a origem do homem que decaiu por se deixar escravizar por seus instintos animais.
O Reencontro com Deus promove também um reencontro do homem consigo mesmo, um autoconhecimento que resulta na descoberta de um sentido existencial, não renegando a sua natureza humana, nem se deixando escravizar por ela, mas reconhecendo sua dimensão existencial e espiritual que dá sentido ao material, levando o homem a uma plenitude completa e perfeita (A Felicidade).
É através do encontro com o divino, promovido pela religião, que o homem descobre seu caráter sagrado, de origem divina, e por tanto sua dignidade, e de sua espécie o que provoca o surgimento das virtudes do respeito a si mesmo e ao próximo, e de sua dignidade e de todos os seus semelhantes.
Esse encontro se dá a partir da liberdade, sem a qual a religião se torna tal qual aquilo que combate, escravizando, desrespeitando, ferindo a dignidade do homem o aprisionando em correntes ainda mais fortes que antes.
A Religião não pode ceder aos instintos da natureza humana e nem renegá-la, porque uma vez renegando-a, destrói a essência do homem da qual ela faz parte. Ao contrário, é a partir dela que se dá o encontro com Deus, e sem ela não há porque haver um encontro, como não há conceito sem objeto e nem objeto sem conceito, não pode haver homem sem corpo ou sem espírito, mesmo parar morrer é preciso de um corpo, daí a dignidade da natureza material do homem que a religião não pode negar.
Outro fator que não pode passar despercebido quando se trata de religião é a força psíquica, muitas vezes sobre humana que ela concede ao fiel por meio da ilusão. Através da fé o homem é capaz de superar muitos desafios, os quais o tornariam frágil sem a religião.
A Consciência da presença divina, de sua força e amor, desperta no homem uma concepção sobrenatural de si mesmo e de seu sofrimento, que pode amenizá-lo, transformá-lo, ou ainda imunizá-lo quando a dor do sofrimento, e até mesmo transformar a realidade material modificando-a com aquilo que chamamos de milagre.
No entanto, sendo a religião um instrumento administrado por homens, (pois Deus quis usar uma linguagem humana para se tornar compreensível), esta não está livre de erros, pode se convergir de libertadora á escravocrata, de luz em trevas.
Os benefícios psíquicos de uma religião autêntica são inegáveis, somente por seu caráter atingir um grau abstrato a partir do material, é que lhe damos uma categoria de ilusão necessária, essa afirmação jamais está concebida sob julgamentos absolutos quando a realidade ou não dos temas tratados pela religião.
Inegavelmente, a religião pode promover um reencontro do homem consigo mesmo, a partir do encontro com o divino, e assim dar sentido a sua existência, mas é preciso aprender a reconhecer a verdadeira religião, aquela que serve e nunca que deseja ser servida, aquela que se apresenta humilde e jamais imposta, aquela que reconhece seu lugar e sabe que nunca deve ser o centro e muito menos a finalidade, mas aquela que aponta para tal fim, caso contrário, esta também corre o risco de perder seu próprio sentido, quando o que deveria ser uma lanterna se torna uma algema.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário