quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Resumo: Morte e Vida Severina.

Estudando Morte e vida Severina, de João Cabral de Melo Neto, que poema lindo e trágico, como uma lamentação do homem diante de Deus e diante da Vida, O Livro é uma metáfora da esperança do homem nordestino do sertão, que retirante segue até o litoral pra fugir da seca, da fome, do desemprego, e que na estrada só encontra a morte por companheira.Quando decipe procurar emprego no sertão, só encontra emprego de rezadeira, porque na terra seca, só tem emprego quem trabalha com a morte, a rezadeira, é mais encomendadeira de corpo do que benzedeira...Quando chega na zôna da mata, a esperança salta aos olhos, mas só encontra outro sivirino morto, um lavrador que sonhava em ter sua terrinha com a reforma agrária, mas ganhou mesmo foi sete palmos de terra, sem caixão porque era pobre, agora tem roupa cingida, como se fosse feita por medida, camisa confortável e macia, sapato que lhe cubra os pés, e um teto do sol e da chuva, sua cova, foi somente o queconseguiu depois de anos de trabalho... uma cova larga pra ter o espaço que nunca teve...em Recife, encontra os coveiros reclamando do salário, emprego que é bom severino não acha, só encontra mais pobreza e miséria dos retirantes que vivem na favela, e morrem no esgoto como indigentes no meio da lama, no manguesal procurando siri pra comer...

É melhor morrer, do que viver assim:
 
Mas o nascimento do filho de seu josé, simboliza a esperança que nasce, numa nova vida...
O povo pobre presentia o menino, e sua familia tem fartura, ao menos nessa hora, e por fim as ciganas predizem bonanças ao pequeno menino...

Se pudesse definir esse livro numa frase, diria que: A Vida é Sofrimento e Morte Certa, mas Não se deve Perder a Esperança...

Lindo... Me apaixonei...

A Vida mesmo sofrida, vale a pena ser vivida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário