segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Histórias de um Missionário (Missão em Santa Cruz)



Com grande alegria no senhor chegamos todos a cidade de Santa Cruz da Venerada, para de lá sermos enviados à missão de férias, foi um tempo de crescimento na fé, novas experiências, muitas expectativas, uma ansiedade por conhecer a comunidade onde estaríamos, e ao mesmo tempo um gosto de medo pelo desconhecido, estar em um lugar onde agente não conhece ninguém, um lugar onde nunca fomos antes, mas ao mesmo tempo, sempre tão bem acolhidos, mesmos pelos mais simples, eu diria principalmente por estes.
                                                                                


Eu fiquei num assentamento sem terra, denominado Mãe Mariana, uma homenagem a uma das fundadoras do local, mas que certamente me levou a sentir fortemente a presença de nossa Senhora.





 
Um lugar propício a oração, contemplação e especialmente a missão, não tinhamos energia elétrica, mas certamente tinhamos muitos motivos para louvar a Deus, encontrei grandes amigos, na verdade me sinto muito em lugares onde se é possivél olhar o céu, até ajudei fazer o alicerce da associação dos moradores, um povo simples é sempre o mais aberto para encontrar a graça de Deus, por isso que diz-se que Deus resiste aos soberbos, mas se revela aos simples.  




Estes aqui ao lado são Fátima e Francisco, como
o nome já diz, são certamente dois santos, e este de azul à esquerda é o seu Alcídes, gente boa demais, está estudando para ser ministro da eucaristía, e me ajudou e muito nas celebrações e atividades, pela manhã eu visitei as famílias e pelas 17hs nós faziamos celebração da palavra devido a falta de eletricidade que se acentuava mais a noite e nos dificultava nas leituras, no final estavamos tão acostumados com as celebrações que todos sentiram falta quando acabou, eu fiquei na casa de Francisco durante toda semana, subimos um morro à pé, (rsrsrs), eu quase morrí de enfarto, pra visitar uma senhora que não podeia vir as celebrações, foi uma aventura e tanto...

Olha só minha cara de sem graça na hora das fotos, mas eu estava mesmo muito satisfeito, essa era nossa ultima celebração, um clima de saudade estava no ar, meu Deus, eu me admiro sempre em ver como é linda a nossa família, e grande, em cada lugar do mundo encontramos mais e mais irmãos, e assim cuidamos uns dos outros, é como se eu tivesse vários páis e mães, fiz amigos por ande andei que marcaram a minha vida...

 No fim decidimos fazer uma procissão, com a cruz que nós mesmos fizemos, que ainda hoje está como lembrança na entrada do local, passamos por cada casa e em cada uma delas seu morador levava a cruz até sua casa e fazia sua prece, certamente um momento de alegria para nós todos...
 Escolhemos o padroeiro da comunidade, por unanimidade, ficamos com o sagrado Coração de Jesus, devoção especial de todos certamente. Cada casa tinha pelo menos uma imagem ou quadro, estamos com planos de contruir uma igreja o mais breve possivel, eu fiquei de vê-los nas férias, meus irmãos na fé, minha igreja, minha família, em toda diocese me sinto como se estivesse na minha própria paróquia de origem, amo a minha diocese, mesmo com suas carências e dificuldades...




Por fim nossa alegria foi completa, no rosto dos mais simples é possivel ver a face do Senhor, segundo noticias que tive do diácono Fernando, a comunidade está animada, e parece que poderemos colher muitos frutos em breve, se Deus quiser, ser missionário tem sempre suas aventuras, desafios e novidades, deixo meu testemunho e incentivo a todos que queiram seguir pelo mesmo caminho, bem que no inicio estive ressitindo mas no final certamente eu posso dizer a todos: "Eu ví o Reino de Deus", estive lá, e sou muito grato ao nosso bispo, Dom Paulo, pelo incentivo, e poio não só a nossa missão, como a nossa vocação.  

 Depois de tudo isso, o fim de semana foi marcado por festa, vários romeiros de todas as regiões da nossa diocese,e ainda de dioceses vizinhas como salgueiro, juazeiro do norte e outras, com presenças de padres, seminaristas, e religiosos de várias denominações, e louvor no curujão, a madrugada inteira para toda a juventude com os ministérios de música da renovação carismática.
  Uma festa de cores, de vozes, de brilho, que marcou a despedida de Dom Paulo como bispo dessa diocese.



  Ele por sua vez, se mostrou incançável, esteve durante todo o dia com o povo, caminhando, resando, cantando e pregando, para mim é uma alegria herdar desse bispo tantas qualidades que a sua companhia certamente me deixou de aprendizado.
 


À todos meu abraço, cheio de saudades, em breve com mais noticias e fotos de nossas missões pela nossa diocese.


use seu loguin e senha do orkut para deixar um comentário sobre este artigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário